Curta-metragem 'Vitória' foi produzido por jovens da comunidade da APA da Barra do Rio Mamanguape e teve imagens gravadas na Paraíba e em Pernambuco.

Operação de devolução de Vitória ao mar Reprodução / Vitória O documentário "Vitória" acaba de ser lançado.

Ele conta a história de uma filhote de peixe-boi marinho que foi encontrada encalhada em 1º de janeiro de 2015 na Praia de Oitero, município de Rio Tinto, e que passou por quatro anos de reabilitação até se devolvido ao seu habitat natural.

O curta-metragem documental tem duração de 15 minutos, entrevista vários personagens envolvidos em todo o processo e se concentra mais enfaticamente na grande operação que foi mobilizada para devolver o animal, já adulto, de volta ao mar (assista ao documentário no vídeo logo abaixo).

Sob coordenação do diretor pernambucano Fábio Guerra, da 1K Filmes, o curta foi produzido por jovens da comunidade da APA da Barra do Rio Mamanguape que participaram da “Oficina Documentário na Prática”.

A promoção é do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho e as imagens foram gravadas na Paraíba em em Pernambuco. O filme, a propósito, tem uma qualidade técnica que impressiona.

Com tomadas aéreas, bons enquadramentos e um roteiro que resume bem toda a trajetória de Vitória, nome da filhote de peixe-boi marinho que é a protagonista da história. Jovens de Barra de Mamanguape produzem documentário sobre resgate de peixe-boi, na Paraíba Peixe-boi marinho é resgatado em praia no litoral norte da Paraíba Tudo começou em 1º de janeiro de 2015, quando um pescador conhecido por Canário encontrou o animal encalhado no litoral paraibano.

Ele chamou um amigo pescador, Passinho, e juntos os dois fizeram uma espécie de piscina natural para amenizar o calor da filhote.

Depois, telefonaram para João Carlos Borges, que é coordenador do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho e professor do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Monitoramento Animal da Universidade Federal da Paraíba. João Carlos Borges acionou a equipe do projeto para realizar o resgate e levou o animal para a Barra do Rio Mamanguape, também na Paraíba, onde funciona uma unidade do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Lá, o animal passou pelos primeiros cuidados veterinários. O peixe-boi marinho então foi transferido para uma unidade de reabilitação em Itamaracá, no litoral de Pernambuco, já que ele ainda estava em período de amamentação e requeria cuidados especiais.

Todo o processo até o desmame, aliás, chegou a durar dois anos. Vitória voltou ao seu habitat natural depois de quatro anos de recuperação Reprodução / Vitória Ao longo do filme, o expectador fica sabendo também de informações técnicas como o tempo de recuperação, as etapas necessárias para isso, e os cuidados que existem em torno da espécie. Passado a fase de desmame, portanto, ainda teve todo um trabalho para que Vitória atingisse o peso e o tamanho adequados.

Para só depois começar o processo de devolução ao habitat natural.

Primeiro para um Recinto de Readaptação em Ambiente Natural, já de volta à Barra do Rio de Mamanguape; e depois para o mar propriamente dito.

É nessa parte que estão as principais imagens do documentário, até pelo mérito de conseguir mostrar toda a grandiosidade da mobilização em torno do animal. "A soltura destes animais, e a adaptação deles à vida livre, interagindo com outros peixes-bois, pode assegurar a continuidade e a perpetuidade da conservação da espécie", explica João Carlos Borges. O filme termina com Vitória devolvida ao mar, com o choro dos pescadores que encontraram a filhote de peixe-boi marinho, quatro anos antes, e que participaram da sua devolução à vida marinha.

Finaliza também registrando que o telefone (83) 99961-1352 está disponível para quem encontrar algum animal encalhado e que precise de resgate.